agênciamam | 29 de maio, Dia Mundial Sem Xixi na Cama
assessoria de imprensa, relações públicas, media training, geração de conteúdo, imprensa, produção, comunicação, influenciadores, blogueiros, frooty, kumon, bia figueiredo, lindt, mini us, teatro j. safra
16878
post-template-default,single,single-post,postid-16878,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode-theme-ver-16.3,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.4.7,vc_non_responsive

29 de maio, Dia Mundial Sem Xixi na Cama

  • Transtorno denominado como Enurese Noturna, muitas vezes negligenciada, afeta até 15% das crianças com mais de 5 anos de idade;
  • Pesquisadores descobrem ligação genética que pode prever transtorno em crianças e fornecer melhores opções de tratamento precoce;
  • Desenvolvimentos tecnológicos recentes permitiram aos pesquisadores isolar genes específicos e variantes genéticas para identificar crianças predispostas a terem Enurese Noturna;
  • O primeiro estudo de associação do genoma em todo o mundo (GWAS) em crianças indica potencial para novas pesquisas que poderiam levar a um melhor tratamento para Enurese Noturna

 No dia Mundial de conscientização sobre o Xixi na Cama, as entidades International Children’s Continence Society (ICCS) e Sociedade Europeia de Urologia Pediátrica (ESPU), responsáveis pelas ações globais do Dia Mundial Sem Xixi na Cama (29/05) apresentam um estudo inédito sobre Enurese Noturna. A pesquisa feita pela Associação do Genoma (GWAS) em genes e variantes genéticas de crianças pode levar a uma identificação precoce do xixi na cama, e com isso melhorar as opções de tratamento para crianças que sofrem com o transtorno.

“Nós conhecemos o transtorno há mais de um século, e evidências sugerem um fundo genético para o xixi na cama. O risco de acordar molhado é 5 a 7 vezes maior entre as crianças com um pai que sofreu com o transtorno quando era criança e aproximadamente 11 vezes maior se ambos os pais apresentaram o problema”, disse Jane Hvarregaard Christensen, do Departamento de Biomedicina da Universidade de Aarhus, na Dinamarca.

Fazer xixi na cama é uma condição médica comum que tem um impacto sério na autoestima da criança, no bem-estar emocional, incluindo o desempenho escolar e social. O xixi na cama também foi associado à função cerebral e problemas psicológicos. No entanto, após tratamento foram detectadas melhorias.

A Associação do Genoma utilizou uma amostra com base na população de cerca de 80 mil pessoas dinamarquesas. Os estudos de associação em todo o genoma funcionam através da varredura de marcadores em todos os conjuntos completos de DNA, a fim de encontrar variantes genéticas associadas a uma determinada doença.

De acordo com Jane, ao comparar a frequência de milhões de variantes genéticas em milhares de amostras de DNA de crianças que fazem xixi na cama, conseguimos demonstrar variantes genéticas específicas que contribuem para aumentar o risco de Enurese Noturna. “Este estudo é um primeiro passo importante para fornecer novos conhecimentos sobre os processos biológicos que levam ao transtorno”, diz.

Existem pelo menos dois principais mecanismos patogênicos em relação ao xixi na cama – uma capacidade de bexiga reduzida e o aumento da produção de urina durante a noite. Ao avaliar as crianças que receberam numerosas prescrições de medicamentos e que se esperava que tivessem uma resposta ao tratamento, os pesquisadores conseguiram dividir as crianças em sub-fenótipos clínicos e atribuir variantes genéticas específicas a diferentes mecanismos patogênicos. Além disso, devido ao extenso tamanho da amostra, os pesquisadores conseguiram analisar milhões de genes e variantes genéticas para estimar o risco de xixi na cama e determinar o seu fardo genético.

“Acreditamos que novas pesquisas de genes e de variantes genéticas poderiam nos ajudar a identificar mais cedo as crianças com propensão de desenvolver a Enurese, e com isso determinar quais se beneficiariam com a medicação e tratamento personalizado para aliviar o transtorno”, finaliza Jane, do Departamento de Biomedicina da Universidade de Aarhus, na Dinamarca.

No Brasil

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), fazer xixi na cama após os 5 anos de idade é um sinal de Enurese Noturna. Persistindo os sinais da doença após essa idade, crianças e adolescentes podem sofrer graves consequências psicológicas e sociais. Trata-se de uma condição bastante frequente, com estimativas de que 15% das crianças com mais de 5 anos de idade e 5% das crianças com 10 anos ainda fazem xixi na cama.

Além da genética, outros fatores podem predispor a Enurese Noturna, como a deficiência de secreção de vasopressina noturna (substância que diminui a produção de urina durante a noite), bexiga pequena para a idade ou hiperativa (diminuindo a capacidade do órgão de reter a urina), problemas estruturais no trato urinário e dificuldade de acordar a noite, em resposta à bexiga cheia.

Sobre o Dia Mundial Sem Xixi na Cama

O Dia Mundial Sem Xixi na Cama, campanha global realizada anualmente no dia 29 de maio, é uma iniciativa da International Children Continense Society (ICCS) e da European Society for Pediatric Urology (ESPU), e foi criada para aumentar a conscientização do público e dos profissionais de saúde sobre o transtorno que é uma condição médica comum que pode e deve ser tratada. O tema da campanha deste ano é: “Tempo para agir”, em reconhecimento de que muito mais pode ser feito para diagnosticar e tratar as crianças que sofrem de Enurese Noturna.

Com apoio do Laboratórios Ferring, o site www.semxixinacama.com.br criado exclusivamente para reunir informações sobre a Enurese Noturna, irá orientar as famílias sobre como lidar com o xixi na cama sem traumas, alertando sobre a importância do diagnóstico correto e da busca por tratamento médico adequado. O visitante ainda terá acesso a uma lista com os centros de apoio mais próximos à sua região, perguntas e respostas sobre o tema, além de vídeos e um blog.

Sobre a Ferring Pharmaceuticals

A Ferring Pharmaceuticals é uma empresa biofarmacêutica líder internacional em saúde reprodutiva e materna atuando em mais de 110 países – com 60 sedes próprias, 10 plantas de produção e 12 centros de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em todo o mundo, incluindo Estados Unidos, Europa, Índia, China e América Latina. Com sede na Suíça, a Ferring conta com mais de 5,5 mil funcionários e identifica, desenvolve e comercializa produtos inovadores nas áreas de Reprodução Humana, Urologia, Gastroenterologia, Endocrinologia e Ortopedia. Hoje, mais de um terço do investimento em Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) é direcionado a tratamentos personalizados para mães e bebes da concepção ao nascimento. A companhia atua há 25 anos no Brasil, com sede em São Paulo, e possui mais de 100 colaboradores no país. Para mais informações sobre a Ferring ou seus produtos, visite www.ferring.com.br

Assessoria de Imprensa do Laboratórios Ferring
agênciamam
Ana Cristina Velasco |ana@agenciamam.com | Tel +55 11 3841-2727 | Cel +55 11 98180-2096
Mariana Franceschinelli​ |mariana@agenciamam.com | Tel +55 11 3841-2702 | Cel +55 11 99123-9401
Mariela Rodrigues | mariela@agenciamam.com | Tel. 11 3841-2702 | Cel +55 13 98177-9898